sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Parabéns

Há tanto tempo que não escrevo para ti quem nem sei por onde ei de começar. Hoje fazes anos e esta foi a primeira vez em 8 anos, que não passei a meia noite contigo. É a primeira vez que já passou metade do dia do teu aniversário e eu não te desejei os parabéns. Desta vez não demorei meses a preprar-te uma prenda de anos, não passei o dia a encher-te de mensagens, e nem sequer ouviste a minha voz...
Fecho os olhos e volto ao passado. Á meia noite estavamos eu e tu sozinhas, deitadas numa ponte ao pé da minha casa, não dissemos nada a ninguem porque não queriamos que ficassem chateados, mas queriamos mesmo passar a meia noite só as duas. Conversámos, conversámos, conversámos, e as horas passaram a voar, como todo o tempo em que estavas ao meu lado. Quando chegou a meia noite, eu tirei um caderno da mala, e dei-to. Nunca nada me tinha dado tanto trabalho e tanto prazer ao mesmo tempo.
Nunca me vou esquecer dos teus olhos cheios de lagrimas, e nunca me vou esquecer do abraço que me deste nesse momento. Eu disse que te amava, e que por ti eu era capaz de escrever e enfeitar todos os cadernos do mundo. Porque só tu merecias isso de mim. Lembro-me de que a capa do caderno tinha uma imagem de duas raparigas juntas, e em letras grandes dizia '' Há amizades que podem durar para sempre. '' e atrás escrevi '' A nossa vai ser uma delas.'' Olha para nós hoje, olha como estamos, no que nos tornámos... Hoje é um dia que como em tantos outros, me vens ao pensamento mais do que eu gostava que acontecesse, mas ainda não sei controlar bem as saudades que tenho tuas.
Eu gostava tanto de ti, e perdi a conta dos dias que eras a unica coisa boa que eu tinha. Como é que te podes ter tornado a maior desilusão da minha vida? Tu que me conhecias melhor que eu propria. Tu que sabias lidar com o melhor e o pior de mim. Nunca me julgaste, nunca criticaste os meus defeitos, nunca me tinhas deixado sozinha. E eu sabia, sabia que tinha de ser melhor por ti. Sabia que tu merecias que eu te desse tudo. E eu dava-te. Durante anos a minha primeira mensagem de manhã era para ti, e a ultima antes de adormecer também. Durante anos tu soubeste todos os meus segredos. Partilhámos tudo. Os nossos medos, as nossas vitórias, as nossas histórias. Ajudaste-me a ser quem sou e deixaste-me.. Quebraste promessas, traiste a minha confiança, desiludiste-me. Não gosto de falar sobre ti. Não gosto que me perguntem por ti, que me perguntem porquê que já não andamos juntas quando antes eramos unha e carne, porque não gosto de ter de explicar aos outros que demonstraste ser uma pessoa totalmente diferente do que eu julgava. Não gosto de explica-lo, porque passados estes meses todos eu propria não quero acreditar que és assim. Tenho tantas perguntas para te fazer, e provavelmente elas vão morrer comigo tal como todas as recordações que passei contigo.
Eu só te queria perguntar : Porquê ? Porque é que me mentiste sobre tantas coisas da tua vida ? Porque é que inventaste tantas histórias, tantos amigos da faculdade que não existiam? Porque é que tinhas de dizer que ias a mil e uma festas que nunca aconteceram ? Porquê ? Tu sempre soubeste que eu gostava de ti tal como eras. Sempre soubeste que eu nunca quis mudar nada em ti. E não era o facto de tentares parecer mais social, quando na verdade nem punhas os pés na faculdade, que me ia fazer gostar mais de ti. Imaginas como me senti quando soube que durante meses tudo o que saía da tua boca eram mentiras ? Mentias-me a mim! Eu que sempre estive ao teu lado. Imaginas quantas coisas me vieram à cabeça depois disso, e as vezes que pensei quantas mais foram as mentiras durante todo o tempo ? Mesmo assim eu chamei-te à razão, eu tentei abrir-te os olhos, eu disse que não te ia deixar sozinha! Tentei suportar tudo sozinha, tentei que contasses à tua mãe, e prometi que ia estar ao teu lado, porque eu não te ia deixar passar por tudo sozinha!
Depois de todas as tuas mentiras, invenções, e desculpas esfarrapadas eu continuei aí! Porque achava que ias lutar por mim, que não ias desistir de nós. Mas foi exactamente isso que fizeste. Depois de tudo, foste tu que me deixaste a mim. Afastaste-te. Escondeste-te. Desapareceste. Como se tivesse sido eu a errar contigo! Como se os papeis desta história estivessem invertidos. E eu habituei-me. E nunca mais fui atrás de ti. Porque o que um não quer, dois não conseguem fazer. Porque não pode ser só uma pessoa a salvar uma amizade de duas. Porque se são duas pessoas a ir dentro dum barco, não pode ser só uma a remar. Tu deitaste os remos fora. Saltaste do barco. E eu deixei-nos ir ao fundo. Agora ficam as saudades, fica uma mágoa tão grande que tu nunca vais imaginar. Porque podes criticar-me enquanto estás sozinha, podes achar que eu devia ter feito mais, lutado mais, ou até mesmo ter agido de maneira diferente e ter ignorado todas as tuas mentiras. Mas eu não sou como tu. E o mais importante de tudo : Eu nunca te traí. E espanta-me como tinhas cabeça para tantos esquemas, mas nunca tiveste um pingo de coragem para dares um passo em frente, pedires-me desculpa, admitires o erro, e pedires-me para não nos afastarmos na mesma - porque sempre foi isto que esperei que fizesses. Mas não. Foi tudo ao contrário. E todos os planos de uma amizade que não ia ter fim, foram por agua abaixo. Todos os meus problemas que tinha para te contar, continuam aqui guardados. Todos os meus momentos felizes que serias a primeira a saber, continuam só comigo. E não sabes mais nada de mim, nem eu de ti - talvez eu nunca tenha sabido mesmo- mas não te preocupes porque um dia isto passa. Tudo passa com o tempo. Todas as feridas curam. E tu não vais ser excepção.
Eu vou aprender a lidar com as memórias que tantas vezes tenho tuas, vou aprender a controlar as lagrimas cada vez que olho para uma foto nossa, que leio um texto que tenhas escrito para mim, que olho para uma prenda tua, que oiço musicas que eram nossas, que passo por sitios onde fomos felizes juntas. Vou aprender a viver sem ti mesmo que isso nunca me tivesse passado pela cabeça. Vou ignorar todas as minhas lembranças do que eramos e de todos os planos que tinhamos feito para nós. E sei que um dia, nem que seja no ultimo dia da minha vida, eu vou olhar para trás sem ter saudades tuas, e vou sentir-me feliz. Vou sentir-me feliz com a certeza que sou uma pessoa melhor que tu. Porque eu era capaz de te perdoar depois de tudo. Mas tu vais ser sempre cobarde ao ponto de nunca saberes pedir perdão.


Parabéns, hoje é o primeiro de muitos anos da tua vida que vais passar sem mim. Sê feliz.

2 comentários:

  1. pude ler(-me) quase em todas as linhas.

    ResponderEliminar
  2. obrigada linda! :) este está lindo e escreve-se hei-de começar com h.

    ResponderEliminar